IGREJA APOSTÓLICA VIDA ABUNDANTE

IGREJA APOSTÓLICA VIDA ABUNDANTE
2017 Ano da Paternidade

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Cristãos sírios refugiados na Alemanha continuam sob perseguição de muçulmanos, diz missão

Cristãos sírios refugiados na Alemanha continuam sob perseguição de muçulmanos, diz missão
As dificuldades enfrentadas por cristãos que emigraram da Síria para a Europa fugindo das ações extremistas de grupos radicais como o Estado Islâmico não se resumem apenas a questões como abrigo e cidadania.
A Missão Portas Abertas relatou que cristãos sírios que estão vivendo em albergues na Alemanha têm sido alvo de ameaças e insultos por parte de outros imigrantes adeptos do islamismo.
Um líder cristão que atua na área, identificado apenas como Martens, afirmou em entrevista ao jornal alemão Die Welt que “os muçulmanos estão dominando estes locais e impondo a sharia, que é a lei islâmica” aos cristãos refugiados.
Há casos em que os cristãos têm sido proibidos de frequentar a cozinha dos abrigos e outros locais comuns, de acordo com fontes da Portas Abertas: “Mas esta é apenas a ponta do iceberg, pois há ameaças de morte e atos de violência contra os cristãos de várias denominações, mas em especial aos muçulmanos convertidos ao cristianismo, que são considerados traidores por eles”, explicou um dos correspondentes.
No estado da Turíngia, as autoridades alemãs estabeleceram uma divisão entre os refugiados, definindo áreas para cristãos e muçulmanos. No entanto, em outros estados da Alemanha, as autoridades não concordam com essa medida.
“É difícil ver como os refugiados são atacados por todos os lados: precisam respeitar os muçulmanos radicais, mas eles estão dentro da Alemanha. Por outro lado, eles estão ali porque fugiram da perseguição religiosa de seus países, mas as ameaças continuam mesmo na Europa”, comentou Martens
A vida de perseguição religiosa, segundo ele, acompanha os refugiados mesmo estando sob a proteção de um país e um continente que prezam pela liberdade: “Esses refugiados não podem contar com uma vida segura, independente de onde estejam. Estes são fatos que nos remetem a alertar sobre o sério desafio que as igrejas da Alemanha e da Europa vão enfrentar daqui para a frente”, concluiu.

Estado Islâmico planeja decapitar o papa e causar o Armagedom em até dez anos, diz especialista

Estado Islâmico planeja decapitar o papa e causar o Armagedom em até dez anos, diz especialista
Os extremistas do Estado Islâmico já estariam colocando em andamento seu plano de dominação mundial e atentos a um cronograma, planejam o extermínio de cristãos e judeus. Dentro desse plano, construído a pretexto de se fazer cumprir profecias de Maomé, planejam decapitar o papa e promover a batalha do Armagedom até 2015.
As revelações foram feitas pelo escritor Robert Spencer, um pesquisador e estudioso do islamismo, em seu novo livro, “Infidel’s Guide to ISIS” (“Guia do infiel para entender o Estado Islâmico”, em tradução livre). Segundo informações da emissora Christian Broadcasting Network,  o autor apresenta e explica em detalhes os planos dos extremistas.
Para os integrantes do Estado Islâmico, a “batalha final” – evento a que os cristãos se referem como Armagedom – acontecerá daqui a dez anos, em 2025. Nesse meio tempo, eles vêm se dedicando a cumprir profecias, como por exemplo, a previsão de Maomé sobre a conquista das maiores cidades do Império Romano.
Quando Maomé deixou essa tarefa aos muçulmanos, referia-se a Roma e Constantinopla, que hoje é a cidade turca de Istambul, e já é dominada pelo islamismo. Nesse cenário, o símbolo da conquista de Roma – vista como a “capital” do cristianismo, por sua importância durante os primeiros anos da Igreja Primitiva e por ser sede, nos dias atuais, da Igreja Católica – seria a decapitação do papa em praça pública, com transmissão via internet.
Na visão dos extremistas, essa seria a principal condição para o retorno de Mahdi, figura equivalente ao Messias no islamismo. Junto da conquista de Roma, o Estado Islâmico planeja sua expansão também no Oriente Médio, conquistando o Irã e a Arábia Saudita.
“O Estado Islâmico trabalha com um calendário onde em 10 anos, perto do ano 2025, ocorrerá o Armageddon, a luta final entre o bem e o mal, ou entre os muçulmanos e os não-muçulmanos”, explica o autor, lembrando que a conquista de Roma é planejada para daqui a cinco anos, 2020.
Para Spencer, a atual crise de refugiados tem sido aproveitada pelos extremistas para enviar soldados à Europa e áreas do norte da África. Esse palpite do escritor se baseia na publicação online do Estado Islâmico chamada “Bandeiras Negras de Roma”, em que são revelados partes do plano de ação para tomada da Europa.
Nesse documento, o Estado Islâmico revela que usará células terroristas “adormecidas” na Europa, que ao longo dos anos vêm reunindo muçulmanos que serviram nas forças armadas do continente, além de atrair novos fiéis.
No cronograma construído pelos extremistas a partir de suas crenças sobre a profecia de Maomé, todo esse planejamento resultará em uma batalha entre muçulmanos e não-muçulmanos na região de Dabiq, na Síria, que já está sob seu controle.
“Essa é a sua versão do Armagedom”, pontua o autor. “Então Jesus se unirá ao profeta muçulmano, o Mahdi, e juntos irão conquistar e islamizar o mundo”, acrescenta, apontando o motivo do planejamento tão detalhado por parte dos extremistas.

ALINHAMENTO PROFÉTICO COM APÓSTOLO VÍCTOR ÁVILES DIA 22 DE OUTUBRO


Festa de Sucot 2015 na Vida Abundante