IGREJA APOSTÓLICA VIDA ABUNDANTE

IGREJA APOSTÓLICA VIDA ABUNDANTE
2017 Ano da Paternidade

quarta-feira, 4 de março de 2015

Mulher que estava em coma desperta milagrosamente horas antes de os aparelhos serem desligados

Mulher que estava em coma desperta milagrosamente horas antes de os aparelhos serem desligados
Uma mulher que estava em coma há 12 dias despertou milagrosamente horas antes de seus filhos optarem por desligar os aparelhos que a mantinham viva.
Teri Roberts, 56 anos, era descrita como uma mãe/avó saudável, até contrair uma grave infecção bacteriana que quase custou-lhe a vida.
A internação aconteceu em dezembro do ano passado, e no dia 10 Teri entrou em coma. Sua pele foi ficando escura conforme os órgãos eram infectados pelas bactérias e bolhas surgiram em seu corpo.
No dia 22 de dezembro, já sem esperanças de que o cenário mudaria, os filhos de Teri decidiram comunicar aos médicos do Hospital Metodista da cidade de Valley, nos Estados Unidos, que tinham optado por desligar os aparelhos.
A família estava ao redor do leito quando Teri Roberts abriu os olhos lentamente, horas antes de os equipamentos serem desligados. “Por alguma razão, ainda não era sua hora. Ela apenas magicamente acordou por um momento – cerca de quatro horas antes de nós desligarmos o suporte de vida”, disse Ryan Roberts, 35 anos, filho de Teri.
Como era véspera de Natal, Ryan destacou o momento: “Ela foi realmente um milagre de Natal. Foi, de longe, o melhor presente de Natal que eu já tive”, acrescentou.
No entanto, mesmo com o milagre da sobrevivência, a infecção deixou efeitos colaterais, e os médicos informaram que seria necessário amputar as mãos e pés de Teri, pois estavam condenados e poderiam causar novos danos.
O responsável por comunicar a necessidade de amputação foi seu marido, Kent. “Ele ergueu as mãos para que ela pudesse vê-los, e ela deu de ombros e disse: ‘OK'”, balançando a cabeça, relatou Ryan.
De acordo com o WND, o filho de Teri lembrou que mesmo de perder seus membros, ela não desistiu da vida, e já faz planos para voltar a andar e dirigir em breve, com a ajuda de próteses. “Eu desisti de minha mãe, e ela não desistiu de si mesma”, disse Ryan.
O doutor Patrick McCarville, do Hospital Metodista, afirmou à imprensa que o caso de Teri foi realmente um milagre: “A maioria das pessoas não sobrevivem a um período tão longo [de infecção e coma] como Teri fez”, afirmou.
“Sua força, determinação e entusiasmo pela vida são inesquecíveis. Teri tem um longo caminho pela frente, mas seu espírito é impressionante! Quando você entra em seu quarto de hospital, você se depara com um enorme sorriso. Ela acredita que tudo acontece por uma razão e nós simplesmente não sabemos o que é ainda”, concluiu o médico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário