IGREJA APOSTÓLICA VIDA ABUNDANTE

IGREJA APOSTÓLICA VIDA ABUNDANTE
2017 Ano da Paternidade

sábado, 18 de outubro de 2014

Vereadores e diretor da Sabesp fazem oração por chuva em São Paulo para amenizar seca

Vereadores e diretor da Sabesp fazem oração por chuva em São Paulo para amenizar seca
A falta de chuva em São Paulo e a consequente falta d’água potável nas torneiras vem prejudicando milhões de moradores do estado, e na cidade de Franca, autoridades e munícipes resolveram apelar para a oração a fim de encontrar uma solução para o problema.
A iniciativa partiu do pastor Otávio Pinheiro (PTB), que também é vereador, e fez uma oração solicitando a ajuda divina por chuva. Pinheiro estava acompanhado de outros 12 vereadores, além do diretor da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (SABESP), Rui Engracia.
“Fiquei muito assustando quando vi aquela situação, com o rio baixo e cheio de terra. A gente já estava orando nos templos, mas agora resolvemos pedir a ajuda de Deus daqui mesmo. Não tem como não se desesperar”, afirmou o pastor, fazendo referência à situação que ele e as demais autoridades encontraram ao visitar o rio Canoas, uma das principais fontes de abastecimento da cidade.
De acordo com informações do jornal O Estado de S. Paulo, em Franca – assim como em todo o estado – a Sabesp não assumiu oficialmente que esteja acontecendo racionamento de água.
No entanto, a partir da última quarta-feira, 15 de outubro, a empresa passou a divulgar uma lista com dezenas de bairros que sofrerão corte no fornecimento de água em períodos alternados.
O diretor da Sabesp Rui Engracia informou que a quantidade captada atualmente é insuficiente para abastecer toda a cidade e, por isso, 27 caminhões-pipa têm buscado água o dia todo em represas da região para completar os reservatórios.
Engracia se queixou que o consumo médio diário na cidade é de 170 litros de água por habitante, muito acima dos padrões recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que recomenda que o uso de 110 litros por pessoa diariamente seriam suficientes para viver de forma confortável.

Silas Malafaia e Marcelo Crivela protagonizam bate boca em debate no Rio de Janeiro

Silas Malafaia e Marcelo Crivela protagonizam bate boca em debate no Rio de Janeiro
O primeiro debate do segundo turno entre os candidatos ao governo do Rio de Janeiro foi marcado por fortes trocas de acusações entre o governador e candidato à reeleição Luiz Fernando Pezão (PMDB) e o senador Marcelo Crivella (PRB), que é bispo licenciado da Igreja Universal (IURD). Porém, o destaque negativo do debate ficou por conta do bate boca protagonizado entre Crivella e o pastor Silas Malafaia.
Ao lado do humorista Marcelo Madureira e do cineasta José Padilha, Malafaia era um dos convidados pela organização do debate, que foi promovido pela revista Veja/Estácio/OAB-RJ. Os convidados foram chamados pelos organizadores para fazer perguntas aos candidatos.
O bate boca entre os religiosos começou quando o pastor Silas Malafaia foi convidado a fazer uma pergunta aos candidatos no primeiro bloco do debate. O pastor iniciou sua fala afirmando que questionaria o “bispo Crivella”, “porque essa história de licenciado é para boi dormir e eu não sou boi”. Em seu tempo para pergunta, Malafaia acusou a IURD de colocar outras igrejas evangélicas “para fora das TV´s” e afirmou que Crivella “obedece às ordens do seu tio, o bispo Edir Macedo”, líder da Igreja Universal.
Em sua resposta, o senador Crivella iniciou afirmando que a ligação de Silas Malafaia com o governo Cabral/Pezão é de conhecimento de todos, o que motivou uma resposta imediata do pastor, que gritou da plateia acusando Crivella de “mentiroso”. Em seguida, Crivella respondeu afirmando “mentiroso é você”. A troca de acusações entre os religiosos foi interrompida pelo mediador do debate, que pediu para Malafaia se conter.
– Essas suas mágoas, seu recalque e suas frustrações com a IURD, eu não tenho nada a ver com as decisões da igreja – completou Crivella.
Malafaia respondeu à fala do candidato com risadas altas na plateia, o que levou o mediador a, novamente, pedir que ele se contivesse e fizesse silêncio.
O debate prosseguiu com acusações diretas entre os candidatos, incluindo ataques pessoais e a constante tentativa de Pezão de vincular a imagem de Crivella ao fundamentalismo religioso e à Universal.

Milagre: Ex-tetraplégica volta a andar e testemunha milagre duplo em sua vida

Milagre: Ex-tetraplégica volta a andar e testemunha milagre duplo em sua vida
Em 2012, Liz Mitchell, da cidade de Waco, no Texas (EUA), caiu de uma altura de mais de cinco metros da varanda de sua casa. No grave acidente, Liz quebrou duas vértebras e, após passar cinco dias em coma, ela descobriu que estava tetraplégica, e os médicos lhe disseram que jamais poderia voltar a andar. Porém, ela agora testemunha um grande milagre em sua vida, e conta como voltou a andar e tem uma nova vida, contrariando todas as previsões da medicina.
– Um dia você acorda e esta com um tubo de respiração, então você percebe que o corpo que tanto você cuidava agora esta ‘inútil – relatou Liz Mitchell, em uma entrevista a canal de TV ABC.
Bryan Mitchell, marido de Liz, conta que a acompanhou nesse momento complicado de sua vida, quando ainda eram noivos. Ele relata que um dia, no hospital, fez a Liz a promessa de que, mesmo ela estando em uma cadeira de rodas, eles se casariam e ela iria “viver tudo o que Deus permitir”. Ele contou também que o a recuperação da esposa começou após uma oração feita por ele.
Liz passou meses sob tratamento no Instituto de Reabilitação Baylor, e não conseguia nem mexer os dedos dos pés, quando Bryan resolveu orar pela então noiva.
– Ela estava totalmente sem animo. Baixei a cabeça e fiz uma oração. Foi a oração mais sincera que eu fiz na minha vida. Então logo insisti que Liz tentasse mexer as pernas. Era dia 29 de agosto, às 9:35h. Ela conseguiu movimentar – contou.
– Foi o momento mais milagroso que já experimentei em toda a minha vida – completou Bryan, emocionado.
Após isso, Liz entrou em um extenso processo de reabilitação, na piscina, depois caminhada na esteira, bicicleta ergométrica… até que ela conseguiu se colocar de pé e voltou a caminhar por conta própria.
Após a recuperação de Liz, ela e Bryan realizaram o sonho de se casarem. E agora anunciam mais um milagre em suas vidas. Apesar de os médicos terem afirmado que a queda de Liz havia danificado seu sistema reprodutivo, ela conta que está grávida e dará à luz a uma filha.
Dois anos após o grave acidente, e indo contra todas as expectativas médicas, Liz agora conta seu testemunho de duplo milagre.
– A transformação física que Liz viveu no centro de reabilitação é nada comparado com a transformação emocional e espiritual – afirma Bryan.

Famoso pastor anuncia que se tornou ateu e publicará livro contando sua “desconversão”

Famoso pastor anuncia que se tornou ateu e publicará livro contando sua “desconversão”
Um famoso pastor canadense se afastou de seu ministério e comunicou que se tornou ateu após mais de 30 anos como pregador.
Bob Ripley, que liderou a Igreja Metropolitana Unida, no Canadá, por 15 anos, disse que chegou à conclusão de que não acredita em Deus após se aprofundar nos questionamentos que carregou consigo por toda a vida.
“Comecei esta jornada fazendo perguntas. Eu estava descontente com os clichês banais ou afirmações preguiçosas. A curiosidade é um acelerador incrível da mente”, disse o ex-pastor em um artigo publicado no Ifpress.com.
Ripley se descreveu como “um defensor apaixonado pela honestidade intelectual” e pediu aos fiéis e admiradores de seu trabalho nas últimas décadas que não ficassem aborrecidos com ele por causa de sua decisão de tornar pública a sua descrença.
Em breve, o ex-pastor vai lançar um livro chamado “Life Beyond Belief: a Preacher’s Deconversion” (“Vida além da crença: a desconversão de um pregador”, em tradução livre do inglês), onde detalha sua jornada gradual de descrença em Deus.
Em seu artigo, Ripley afirma que ainda acredita que não existem grupos sociais superiores a outros, sejam ateus ou crentes. “Acho que o que importa não é tanto em que acreditamos, mas como nos conduzimos por este poucos e frágeis anos de vida. Acredito que ter consciência da beleza e da maravilha do universo, incluindo este pálido ponto azul no canto remoto de uma das bilhões de galáxias, é um privilégio indescritível”, concluiu o ex-pastor.

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Pastor afirma que se tiver filhos gays é porque “Deus já os criou e os moldou” assim

Pastor afirma que se tiver filhos gays é porque “Deus já os criou e os moldou” assim
Um texto escrito por um pastor evangélico sobre a homossexualidade tem feito sucesso nas últimas semanas na internet. Intitulado “Se eu tiver filhos gays: Quatro promessas de um pastor cristão e pai”, o texto do pastor John Pavlovitz, da cidade de Wake Forest, Carolina do Norte, EUA, já foi lido (segundo ele) mais de um milhão e quinhentas mil vezes nas duas últimas semanas.
O texto foi publicado pelo pastor em meados de setembro em seu blog pessoal. Entre outras coisas, o pastor afirma no texto que se tiver filhos gays, é porque “Deus já os criou e os moldou” assim.
- Às vezes eu penso se terei filhos gays. Eu não sei se outros pais pensam sobre isso. Mas eu penso. Com muita frequência. Talvez seja porque eu tenha muitos gays na minha família e círculo de amigos. Está em meus genes e em minha tribo – pondera o pastor, em seu texto, afirmando ainda já ter acompanhado “histórias de horror de crianças cristãs e gays, dentro e fora do armário, tentando fazer parte da igreja”.
- Se meus filhos forem gays… isso quer dizer que Deus já os criou, os moldou e colocou dentro deles a semente de quem eles são. O Salmo 139 diz que Ele os formou no útero da mãe. Para mim isso quer dizer que as coisas incríveis e complexas que os fazem almas únicas foi colocado em suas células Eu não acredito que haja uma data mágica de expiração se aproximando, quando eles “se tornarão hétero” – escreveu o pastor.
Entre as promessas feitas em seu texto, o pastor afirma que se tiver filhos gays não irá orar para que eles mudem, pois sabe que este é o normal deles. Ele afirma também que suas orações serão pra que eles sejam aceitos socialmente.
- Eu não orarei para que eles sejam “normais”. Já vivi o suficiente para saber que, se meus filhos forem gays, este é o normal deles. Eu não orarei para Deus curá-los ou consertá-los. Vou orar para que Deus os proteja da ignorância, do ódio e da violência que o mundo despejará sobre eles simplesmente por eles serem quem são – afirma o pastor, em uma das promessas.
A repercussão do texto por todo o mundo transformou o pastor em uma verdadeira celebridade, e ele tem dado entrevistas em diversos canais de comunicação sobre sua visão acerca da homossexualidade. Pai de dois filhos, Noah (8) e Selah (4), ele afirmou em uma entrevista recente a um canal de TV, que escreveu o que pensa ser uma “carta de amor” e que não pretendia criar uma doutrina com seu texto.
Apesar de se apresentar como pastor, John Pavlovitz atualmente não está pastoreando nenhuma congregação, e seu último trabalho pastoral foi na Igreja Metodista Good Shepard, em Charlotte, Carolina do Norte. Atualmente, ele afirma estar fundando uma igreja em sua casa, e em seu site afirma que seu sonho é criar uma “igreja virtual” que reúna as pessoas sem restrições geográficas.
Apesar da grande repercussão que o texto vem tendo no meio cristão, uma grande parcela da publicidade que alavancou o texto tem vindo de colunistas gays que o apresentam a seus leitores como um “exemplo de amor”.
Ao fim do texto, Pavlovitz ressalta de que além de querer filhos gays (palavra que em inglês quer dizer “alegre”), não descarta a possibilidade de eles serem homossexuais ou transgêneros, e afirma ainda que todo pai cristão deveria pensar na forma que responderá caso seus filhos venham a se assumir como homossexuais.

Eleições 2014: confira o desempenho dos principais candidatos evangélicos

Eleições 2014: confira o desempenho dos principais candidatos evangélicos
O desempenho dos candidatos evangélicos nas eleições deste ano ficou marcado por reeleições estrondosas, como a do pastor Marco Feliciano, e derrotas significativas, como as de Marcelo Aguiar e do ex-boxeador Popó.
O pastor Marco Feliciano (PSC) foi quarto candidato mais votado, com 398 mil votos, 186 mil votos a mais do que em 2010, quando recebeu 212 mil. Alvo de muitas críticas por parte dos ativistas gays, Feliciano conseguiu projeção nacional defendendo o direito de se manifestar contra a homossexualidade e as tentativas da militância LGBT de impor uma “mordaça” aos cristãos através do polêmico PLC 122.
Em São Paulo, outros nomes de expressão no meio evangélico que se candidataram tiveram sucesso em suas tentativas de se manter como deputados federais.
O pastor Paulo Freire (PR), filho do pastor José Wellington Bezerra da Costa, foi reeleito com mais de 111 mil votos. Outro pastor reeleito foi Roberto de Lucena (PV), da Igreja O Brasil Para Cristo, com pouco mais de 67 mil votos, assim como a jovem Bruna Furlan (PSDB), ligada à Congregação Crista no Brasil, que teve 178 mil votos, mais de 70 mil a menos do que em 2010, quando teve em torno de 250 mil. Já o missionário José Olímpio (PP), apoiado pelo apóstolo Valdemiro Santiago, foi reeleito com mais de 154 mil votos.
O assembleiano Gilberto Nascimento (PSC) teve 120 mil votos, e volta a ocupar um cargo na Câmara dos Deputados após seis anos. Uma aposta do PSC para conquistar votos era o cirurgião plástico doutor Robert Rey, conhecido como Dr. Hollywood. Ele recebeu 21,3 mil votos e não foi eleito.
No Rio de Janeiro, os candidatos evangélicos Clarissa Garotinho (PR), Eduardo Cunha (PMDB), Arolde de Oliveira (PSD), Benedita da Silva (PT), Marcos Soares (PR), apóstolo Ezequiel Teixeira (SD) foram eleitos para ocupar uma cadeira na Câmara dos Deputados nos próximos quatro anos.
O deputado federal João Campos (PSDB-GO), foi reeleito para mais um mandato na Câmara dos Deputados. Campos ficou conhecido por ser o autor do projeto de lei que pretendia derrubar um artigo do Código de Ética do Conselho Federal de Psicologia que proíbe os profissionais da área de prestarem atendimento a homossexuais que os procurem pedindo orientação para abandonar a prática. O projeto foi apelidado de “cura gay” pela mídia, e arquivado posteriormente.
O deputado federal Anthony Garotinho (PR-RJ), que optou por não concorrer à reeleição e tentar um mandato à frente do governo do Rio de Janeiro, liderou boa parte das pesquisas no estado, mas na reta final, perdeu espaço e acabou fora do segundo turno das eleições, cedendo lugar ao atual governador, Luiz Fernando Pezão (PMDB) e ao bispo Marcelo Crivella (PRB), senador licenciado.
A filha de Garotinho, Clarissa, conquistou 335 mil votos e ficou atrás apenas do polêmico Jair Bolsonaro (PP), aliado da bancada evangélica e detentor de 464 mil votos. Bolsonaro terá a companhia do filho, Eduardo, na Câmara dos Deputados, pois ele foi eleito para seu primeiro mandato como deputado federal por São Paulo, com mais de 82 mil votos.
Outro integrante da bancada evangélica que não foi reeleito é o cantor Marcelo Aguiar (DEM), pastor da Igreja Renascer que teve 65 mil votos mas não alcançou um índice suficiente para voltar à Câmara. A psicóloga cristã Marisa Lobo (PSC-PR) obteve 14,9 mil votos e não conseguiu ser eleita deputada federal por seu estado.
No Distrito Federal (DF), o advogado e pregador assembleiano Matheus Sathler (PSDB), autor da proposta de criação do “kit macho” como forma forma de “prevenir o homossexualismo”, não foi eleito deputado federal. Sathler obteve apenas 1.415 votos, ficando na 66ª posição. O parlamentar eleito com a menor votação no DF foi Laerte Bessa (PR), com 32,8 mil votos.

Marina Silva

A candidata do PSB à presidência novamente ficou em terceiro lugar nas eleições, quebrando seu próprio recorde de votos obtido em 2010, quando havia sido a terceira colocada mais bem votada da história do país. Desta vez, Marina obteve 22,1 milhões de votos (21,3% do total de votos válidos), superando os 19,6 milhões de votos recebidos há quatro anos.
Marina assumiu a cabeça de chapa da coligação Unidos Pelo Brasil após a morte de Eduardo Campos, no dia 13 de agosto. Como era candidata a vice, a indicação de Marina pelo PSB foi vista como natural pelos analistas políticos, levando em consideração seu histórico político e seu desempenho nas pesquisas de intenção de voto no primeiro semestre deste ano.
Após a indicação, Marina subiu nas pesquisas e chegou a obter, numa simulação de segundo turno, 10 pontos de vantagem sobre Dilma Rousseff (PT), marcando 50% das intenções de voto, contra 40% da presidente que tenta a reeleição. Com pouco tempo de TV e alvo de um “marketing selvagem” do PT contra sua candidatura, Marina aos poucos foi caindo nas intenções de voto e terminou fora do segundo turno, cedendo lugar a Aécio Neves.

Pastor Everaldo

O candidato do PSC à presidência, apoiado por líderes evangélicos como os pastores Silas Malafaia e Marco Feliciano, além do senador Magno Malta (PR-ES), chegou a atingir 4% das intenções de voto nas pesquisas no começo da campanha.
No entanto, a ascensão de Marina Silva à disputa levou boa parte do eleitorado evangélico a optar por votar na missionária assembleiana, que demonstrava ter mais chances de vencer o pleito. Ao final da apuração, Everaldo Dias Pereira teve pouco mais de 780 mil votos em todo o país, somando 0,75% dos votos válidos, e ficando atrás inclusive da candidata Luciana Genro (PSOL-RS), que somou 1,6 milhão de votos, 1,55% do total.

Pastor é acusado de estuprar as próprias filhas, a mais nova tem apenas 11 anos

Pastor é acusado de estuprar as próprias filhas, a mais nova tem apenas 11 anos
Um pastor evangélico da cidade de Boqueirão, na região do Agreste da Paraíba, está sendo acusado de estuprar cinco crianças, sendo que três delas são suas próprias filhas. O caso foi denunciado pelo Conselho Tutelar no dia 28 de agosto.
Segundo o site de notícias local paraiba.com.br, a filha mais velha do pastor, uma adolescente de 16 anos, relatou sobre os abusos sexuais que sofria do pai desde os cinco anos de idade. A menina contou também que o pai também abusava das irmãs mais novas de 12 e 11 anos.
A menina contou à polícia que quando era mais nova chegou a contar para a mãe sobre o que acontecia, mas o pai a mandou para o Rio de Janeiro, para morar com a avó. Ela afirma que chegou a dizer ao pai que contaria todo à polícia, mas que foi ameaçada por ele, que disse que mataria ela e sua mãe.
Apesar dos relatos de que os crimes já aconteciam há muito tempo, o caso só foi denunciado recentemente, quando a mãe de outra vítima, uma meninas de apenas 8 anos, ficou sabendo dos abusos. Ela relata que ficou sabendo do ocorrido pela própria filha, que contou que o pastor a sentou em seu colo, alisou suas pernas e apertou suas partes íntimas. A menina disse ainda que o homem a obrigou a beijá-lo. O crime teria acontecido quando a garota estava com as filhas do pastor e foi para um culto em uma igreja evangélica.
O pastor está sendo investigado pela Polícia Civil e foi preso por porte ilegal de armas, já que foram encontradas duas espingardas na sua casa.

Jean Wyllys volta a atribuir responsabilidade ao pastor Silas Malafaia por ataques contra homossexuais

Jean Wyllys volta a atribuir responsabilidade ao pastor Silas Malafaia por ataques contra homossexuais
O ativista gay e candidato a reeleição como deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) voltou a responsabilizar o pastor Silas Malafaia por ataques violentos realizados contra homossexuais.
Em seu perfil no Twitter, Wyllys afirmou que o ímpeto de violência contra a população LGBT nasce a partir de “discursos de ódio”, como ele se refere às falas do pastor Malafaia e de outros líderes contrários à prática homossexual.
O pano de fundo para as novas críticas de Wyllys a Malafaia foi a agressão sofrida pelo fotógrafo Zé Britto, homossexual assumido. Britto registrava um grafite no Catete, Rio de Janeiro, quando foi agredido a vassouradas por uma pessoa que teria gritado que a “surra” era por causa de sua opção sexual.
“Dias atrás denunciei aqui a revista de conteúdo homofóbico e medieval distribuída no RJ pelo dep. Édino Fonseca. O material do deputado e pastor fundamentalista anunciava ‘os planos do anticristo’ e propunha contra eles: Marina Silva presidenta. O material era tão bizarro que a campanha de Marina soltou nota dizendo que não tinham autorizado nem concordavam com o conteúdo [...] No Amapá, o companheiro Waldir Bittencourt, ativista gay, e candidato a deputado federal pelo PSOL, foi agredido enquanto fazia campanha [...] O fotógrafo Zé Britto foi agredido ontem, só por ser gay, na Zona Sul do Rio, enquanto exercia o seu trabalho. Alguém perguntará o que tem a ver a revista medieval com as agressões contra Waldir e contra o Zé. Diretamente, não estão relacionados. Mas cada pedra jogada contra um veado no Amapá, cada lâmpada quebrada em uma bicha na Paulista, cada travesti espancada até a morte, cada lésbica agredida num lugar público, cada agressão física contra um de nós, LGBTs, começa a nascer de um discurso de ódio. Começa a nascer de um discurso do pastor MALAFAIA, de um panfleto de Édino Fonseca, de uma fala do deputado viúvo da ditadura. Um discurso de ódio que começa a nascer de um/a governante ou candidato/a que cala a boca diante do ódio contra LGBTs em troca de votos”, criticou Jean Wyllys.
Em sua publicação, Wyllys faz acusações indiretas também ao colega de Câmara dos Deputados, Jair Bolsonaro (PP-RJ), conhecido por ser um ácido combatente das propostas dos ativistas gays.