IGREJA APOSTÓLICA VIDA ABUNDANTE

IGREJA APOSTÓLICA VIDA ABUNDANTE
2017 Ano da Paternidade

terça-feira, 15 de abril de 2014

Mãe de adolescente espancado e morto por suspeita de estupro pede que assassinos do filho “peçam perdão a Deus”

Mãe de adolescente espancado e morto por suspeita de estupro pede que assassinos do filho “peçam perdão a Deus”
Na tarde do dia 6 de abril, o adolescente Alailton Ferreira, de 17 anos, foi espancado até a morte por moradores do bairro Vista da Serra, na cidade de Serra (ES), suspeito de ter estuprado uma mulher na região. Após sepultar o filho, na última quarta feira (9), a mãe do rapaz afirma que ele era inocente, e pede para que os assassinos de seu filho peçam perdão a Deus pelo crime.
Diva Suterio Ferreira, mãe do adolescente, afirma que o filho foi vítima de injustiça. Segundo ela, o filho já havia sido preso por outros crimes, como furto, e também era usuário de drogas. Porém, ela afirma que ele nunca estuprou ninguém.
- Ele já foi preso por furto, usava droga, mas não estuprou ninguém, jamais faria isso. Acredito na justiça divina. Peço que essas pessoas peçam perdão a Deus pelo que fizeram ao meu filho – afirmou a mãe de Alailton Ferreira.
- Procurei na Upa, na delegacia e depois em hospitais, até encontrá-lo. Mas meu filho quase não tinha vida quando o vi – completa, afirmando que só soube da agressão na segunda feira, dia 7 de abril.
Segundo a Polícia Civil, nenhuma denúncia de estupro foi feita contra o rapaz. De acordo com o relatório da Polícia Militar, o caso foi registrado no Departamento de Polícia Judiciária (DPJ) de Serra, mas nenhum autor do espancamento ou mesmo a suposta vítima de estupro se apresentou.
Dois vídeos que mostram a agressão circularam nas redes sociais. Os agressores só foram contidos com a chegada da polícia que, de acordo com o delegado-chefe do DPJ, Ludogério Ralff, teve que usar spray de pimenta para afastá-los, e socorrer o rapaz.
morto-por-espancamento
- Os policiais militares descreveram no boletim de ocorrência que foi necessário utilizar spray de pimenta para conter os populares, e prosseguiram com o adolescente para a unidade de saúde – relatou o delegado, segundo o G1.
Diva Ferreira afirma que sua família está abalada com o ocorrido, e que estão se apegando ao auxílio de Deus para superaram a perda do filho.
- Só Deus para me ajudar. Meu filho era amado, sonhava em me dar uma casa. Dizia que queria um quarto para ele, um para mim e um para irmã. Minha filha, de 11 anos, só chora, tem medo de sair à rua depois do que aconteceu – afirma.
Após o falecimento do jovem, as imagens e demais informações sobre o caso estão sendo encaminhadas para a Delegacia de Crimes Contra a Vida (DCCV) que investigará a morte do adolescente.

Ateu militante é condenado a oito anos de prisão por espancar pastor após culto

Ateu militante é condenado a oito anos de prisão por espancar pastor após culto
Na semana a justiça norte americana condenou a oito anos de prisão o autointitulado “ateu militante” James Maxie, de 28 anos, por espancar brutalmente o pastor Norman Hayes, da igreja The Bridge Community em North Hampton (EUA).
O crime aconteceu em outubro de 2013 quando, após o culto Maxie e sua namorada, que frequenta a igreja, se aproximaram do pastor para conversar. Segundo Hayes, a agressão começou após ele perguntar a ela se Maxie estava abusando dela o que, segundo o pastor, o fez ficar furioso e começar desferir golpes em seu rosto. O pastor foi então derrubado no chão pelo agressor, que só parou de bater nele quando ele começou a implorar para que ele parasse. Ele afirma ainda ter pensado que Maxie iria matá-lo.
Hayes teve o nariz quebrado em dois lugares, cortes e hematomas ao redor dos olhos e ouvidos, alguns dos quais precisaram de pontos.
Após o crime James Maxie, correu para um milharal nas proximidades e foi detido por dois policiais que estavam respondendo à ocorrência pela agressão.
Segundo o Christian News, no mês passado o agressor aceitou um acordo judicial no Tribunal Comum de Fundamentos de Clark County, e concordou confessar a culpa pelo crime em troca de uma redução em sua pena. Então, na última quinta feira (10), ele recebeu sua condenação oficial, sendo condenado a cumprir oito anos de prisão pela agressão. No tribunal, ele lamentou o crime.
- Eu arruinei totalmente minha vida. Minha namorada assistiu aterrorizada ao que fiz. A família da minha namorada sofreu. Minha mãe e meu pai sofreram e ficaram constrangidos pelo que eu fiz – afirmou o rapaz, diante do tribunal.
Procurado para comentar a condenação de seu agressor, o pastor afirmou que perdoa James Maxie pela agressão, e que não guarda rancor pelo ocorrido.
- Eu quero que ele saiba que eu tenho estendido perdão a ele. (Perdão) é um dom. Eu realmente espero que ele aprenda a lição de que a vida não gira em torno apenas de si mesmo, e que eu faço afeta também outras pessoas – afirmou o pastor.

Bombeiros encontram corpo de pastor que foi arrastado pela correnteza de rio durante cerimônia de batismo

Bombeiros encontram corpo de pastor que foi arrastado pela correnteza de rio durante cerimônia de batismo
Após quatro dias de buscas o corpo de bombeiros do Distrito Federal encontrou o corpo de um pastor evangélico que foi arrastado pela correnteza do Rio Descoberto, localizado na divisa entre o Distrito Federal e Goiás, durante a preparação para uma cerimônia de batismo.
O pastor Almir Marques de Carvalho, 52 anos havia se afogado na manhã do dia 05 de abril, quando entrou no rio para verificar se o trecho era seguro e adequado para a cerimônia de batismo, que seria realizada com fiéis da Igreja Poço de Água Viva, da Ceilândia (DF). As informações são de que o pastor se desequilibrou ao entre no rio e acabou sendo levado pela forte correnteza.
Após acionado pelos fiéis, o Corpo de Bombeiros iniciou uma busca que se estendeu por cerca de 25 quilômetros ao longo do leito do rio. A equipe mobilizada para o resgate foi composta por 37 homens, incluindo mergulhadores, para vasculhar as margens do rio à procura do corpo. A operação envolveu também um helicóptero e cães farejadores.
Segundo a corporação, o corpo do pastor foi encontrado a cerca de dez quilômetros do local do afogamento.
De acordo com o G1, o trecho do rio onde ocorreu o acidente tem uma distância de cerca de 30 metros entre uma margem e outra, além de um leito composto por pedras e uma correnteza forte. No local há também placas indicando o risco de afogamento.