IGREJA APOSTÓLICA VIDA ABUNDANTE

IGREJA APOSTÓLICA VIDA ABUNDANTE
2017 Ano da Paternidade

terça-feira, 23 de abril de 2013

Inspirada em Friedrish Nietzsche, nova música do Black Sabbath questiona se “Deus está morto”

Inspirada em Friedrish Nietzsche, nova música do Black Sabbath questiona se “Deus está morto”
Uma disputa entre Deus e o Diabo foi o tema escolhido para a nova música de divulgação do novo CD da banda Black Sabbath. Inspirada na famosa frase “Gott ist tot” (Deus está morto) dita pelo filósofo alemão Friedrich Nietzsche, a música traz à tona questionamentos sobre a religião, um dos temas favoritos da banda.
- Não acredito que Deus está morto – diz um trecho da música, que inicia afirmando: – Eu estou perdido na escuridão/ Me afasto da luz.
Intitulada “God Is Dead?” (Deus está morto?), o single faz parte do álbum “13″, primeiro disco de estúdio da banda em 35 anos com Ozzy Osbourne no vocal, segundo o UOL. O álbum tem previsão de lançamento para o dia10 de junho.
No refrão, Osbourne questiona se Deus está mesmo morto, e pergunta saber quem dará a ele alguma resposta. Marcada por um tom sombrio, e pelos característicos riffs da banda considerada percussora do heavy metal, a música questiona também a existência de vida após a morte, e a veracidade das escrituras sagradas.
- Me pergunto se iremos nos encontrar de novo do outro lado / Você acredita em alguma coisa / Do que o bom livro diz? / Ou é tudo um conto de fadas sagrado e Deus está morto? – questiona um trecho da música.
Logo após seu lançamento na última quinta feira (18), que ocorreu de forma simultânea em rádios do mundo, a música se tornou um dos assuntos mais comentados no Twitter, e agradou aos fãs da banda, e a outros artistas conhecidos, como Slash, ex-guitarrista do Guns ‘n’ Roses, que elogiou a canção.
Sobre a polêmica criada em torno do título da música, Ozzy Osbourne afirmou que há uma mensagem positiva no fim da letra, mas que o título controverso foi escolhido por questão de marketing.
- Quanto mais pessoas protestarem, melhor. Nos anos 80 e início dos 90, alguém decidiu colocar adesivos nas capas dos discos [os selos “parental advisory”, criados para designar discos com conteúdo dito “impróprio”]. As vendas subiram, porque a molecada queria conhecer justamente aqueles álbuns que diziam que elas não podiam ouvir. E isso vendeu mais discos! – afirmou o vocalista, em entrevista para a revista Rolling Stone Brasil.
- “God is Dead?”, não é sobre Deus estar morto. É sobre alguém lhe dizendo que Deus está morto, e daí eu digo que não acredito que Deus esteja morto. Existe uma mensagem positiva no final da música, não é aquilo de “ah, estou feliz, muito satisfeito de que Deus está morto.” Não é que esteja dizendo que o diabo é quem domina tudo – completou o cantor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário