IGREJA APOSTÓLICA VIDA ABUNDANTE

IGREJA APOSTÓLICA VIDA ABUNDANTE
2017 Ano da Paternidade

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Pastor Ciro Zibordi afirma que teologia inclusiva é “falsa” e deveria ser chamada de “evangaylho”. Leia na íntegra

Pastor Ciro Zibordi afirma que teologia inclusiva é “falsa” e deveria ser chamada de “evangaylho”. Leia na íntegra
Sem meias palavras, o pastor Ciro Zibordipublicou um artigo sobre a chamada teologia inclusiva, que no Brasil tem como uma das principais defensoras a pastora Lana Holder, da igreja Cidade de Refúgio.
Sem mencionar o nome da pastora inclusiva por extenso – usando apenas as iniciais – Zibordi criticou a postura de Lana Holder, afirmando que ela passou de “ex-homossexual” para “ex-heterossexual”.
-Quando se dizia ex-lésbica, ela chamava à frente o seu marido — ao som de muitas glórias a Deus — e dizia que Jesus Cristo havia transformado a sua vida por completo, libertando-a da homossexualidade e dando-lhe uma linda família. Algum tempo depois, teve uma grande recaída nos Estados Unidos e, atualmente, propaga, com convicção, o pseudo-evangelho gay – criticou o pastor.
O foco do artigo, no entanto, é voltado para a interpretação das passagens bíblicas em que as igrejas inclusivas buscam dar sustentação à sua teologia. Com um certo sarcasmo, Zibordi afirma que “a eisegese — não confunda com exegese — de L.H. poderia ser chamada de “exegayse”, visto que ela faz uma releitura do texto sagrado, dando novas definições às históricas interpretações dos textos que tratam do pecado da homossexualidade”.
Sobre Lana Holder, o pastor aponta que “o falso evangelho pregado por ela poderia ser chamado perfeitamente de ‘evangaylho’. Afinal, a sua missão principal à frente de uma ‘igreja inclusiva’, em São Paulo, tem sido a de torcer o Evangelho, afirmando que o praticante da homossexualidade será salvo mesmo sem deixar esse pecado”.
O pastor assembleiano encerra seu artigo separando a crítica às práticas de uma eventual avaliação de conceito pessoal: “Em resumo, L.H. enganou o seu esposo, os seus amigos, o povo de Deus e está enganando a si mesma. Mas nunca enganará o Espírito Santo! Não lhe desejo o mal. Pelo contrário, compadeço-me de sua alma e dos que estão sendo iludidos pelo falso evangelho que ela prega”.
Confira abaixo a íntegra do artigo “A ‘exegayse’ e o ‘evangaylismo’ da teologia inclusiva”, do pastor Ciro Zibordi:
A interpretação da Bíblia e a estratégia de evangelização do movimento chamado “teologia inclusiva” ou “igreja inclusiva” são uma aberração, à luz das Escrituras. No Brasil, a principal propagadora desse segmento é uma famosa pregadora, cujas iniciais do nome são L.H. (não me pergunte o nome dela!), a qual é, ao mesmo tempo, ex-homossexual e ex-heterossexual.
L.H. viajou pelo mundo todo para dizer que havia sido liberta do lesbianismo e, depois, voltou (voltou?) de modo convicto à prática desse pecado, o que implica iniquidade. Quando se dizia ex-lésbica, ela chamava à frente o seu marido — ao som de muitas glórias a Deus — e dizia que Jesus Cristo havia transformado a sua vida por completo, libertando-a da homossexualidade e dando-lhe uma linda família. Algum tempo depois, teve uma grande recaída nos Estados Unidos e, atualmente, propaga, com convicção, o pseudo-evangelho gay.
A eisegese — não confunda com exegese — de L.H. poderia ser chamada de “exegayse”, visto que ela faz uma releitura do texto sagrado, dando novas definições às históricas interpretações dos textos que tratam do pecado da homossexualidade. O falso evangelho pregado por ela poderia ser chamado perfeitamente de “evangaylho”. Afinal, a sua missão principal à frente de uma “igreja inclusiva”, em São Paulo, tem sido a de torcer o Evangelho, afirmando que o praticante da homossexualidade será salvo mesmo sem deixar esse pecado.
Respeito a opinião das pessoas, inclusive a das que defendem a homossexualidade. Isso é um direito que lhes assiste. Entretanto, a pregadora em apreço pensa que pode usar a própria Palavra de Deus, o Livro do Senhor, para fundamentar a sua má exegese e afirmar que a homossexualidade não é uma relação pecaminosa. L.H., que visitou várias igrejas, no Brasil e no mundo, e usou o nome do Senhor — em vão, é evidente — para dizer que fora liberta do lesbianismo, agora assevera que o “sistema evangélico” a obrigava ser contrária à sua “orientação sexual”?!
L.H. passou rapidamente da condição de ex-homossexual para a de ex-heterossexual! Antes, uma pecadora arrependida, teve coragem de pedir perdão em público por ter tido uma recaída. Agora, dizendo-se vítima dos próprios evangélicos, levanta a bandeira da “teologia inclusiva” e oferece ajuda aos gays que, à semelhança dela, supostamente sofrem preconceito no meio evangélico?!
Em resumo, L.H. enganou o seu esposo, os seus amigos, o povo de Deus e está enganando a si mesma. Mas nunca enganará o Espírito Santo! Não lhe desejo o mal. Pelo contrário, compadeço-me de sua alma e dos que estão sendo iludidos pelo falso evangelho que ela prega. Afinal, a Palavra de Deus afirma: “Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará” (Gl 6.7).
Com amor e verdade (Jo 14.23),
Ciro Sanches Zibordi

Nenhum comentário:

Postar um comentário