IGREJA APOSTÓLICA VIDA ABUNDANTE

IGREJA APOSTÓLICA VIDA ABUNDANTE
2017 Ano da Paternidade

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Evangélicos fazem campanha de boicote a novela “Salve Jorge”

Evangélicos fazem campanha de boicote a novela “Salve Jorge”
Evangélicos de todo o Brasil estão realizando uma campanha contra a próxima novela das nove, “Salve Jorge” pela mídias sociais. Segundo os cristãos, a expressão que dá nome à obra de dramaturgia se refere a uma entidade espírita.
Além de ser cultuado pela igreja católica, “São Jorge” é um símbolo muito presente na cultura religiosa sincrética brasileira, que também o cultua na Umbanda. No segmento religioso, o santo recebe o nome da entidade espiritual ogum.
O post incentivando o boicote está circulando pelo Facebook e já ultrapassou 2 mil compartilhamentos, segundo o Almanaquedatv. O cartaz criado enfatiza que a fé em Jesus é incompatível com a novela, mas ressalta que os cristãos amam os espíritas mas não aceitam que as mensagens contidas na novelas adentrem seus lares.
A Rede Globo cogitou trocar o nome da obra de teledramaturgia para “Salve Guerreiro”, que chegou a ser registrado. Também pensou em “Amor Guerreiro”, mas preferiu manter o título original para que não se perdesse a essência da trama que mostra a devoção ao santo guerreiro.
Por Jussara Teixeira para o Gospel+

Caio Fábio crítica lideranças pentecostais e afirma que personagem Tufão, de Avenida Brasil, tem “muito mais caráter que a maioria dos pastores”. Leia na íntegra

Caio Fábio crítica lideranças pentecostais e afirma que personagem Tufão, de Avenida Brasil, tem “muito mais caráter que a maioria dos pastores”. Leia na íntegra
O reverendo Caio Fábiopublicou uma reflexão sobre o movimento evangélico e as características do movimento pentecostal no Brasil.
Em sua página no Facebook, Caio Fábio usou o personagem Tufão, da novela Avenida Brasil, para ilustrar a avaliação de caráter feita por ele sobre os líderes evangélicos brasileiros: “A coisa ficou tão 171 em tudo que não titubeio em afirmar que o personagem Tufão da novela Avenida Brasil é muito mais gente de caráter do que a maioria dos pastores 171 que em nome de ‘Deus’ fazem do povo os ‘bichos do jogo’”, pontua.
Caio Fábio define como evangélicos “todos os grupos não católicos de confissão bíblica no país” e afirma que “o Pentecostalismo, em linhas gerais, não é predestinista-divino da segurança da salvação [como são os Reformados], embora seja predestinista-humano do inferno, quando pela certeza de que ‘fora dos cultos e das frequências e filiação à igreja local não há salvação’”, observa, mencionando a doutrina que muitas igrejas evangélicas adotam para enfatizar que a salvação deve ser cultivada.
O texto de Caio Fábio traz ainda, críticas ao comportamento resultante dos ensinamentos pregados na maioria das igrejas pentecostais: “Assim nasce a ufania de que o crente pentecostal tem um poder espiritual maior do que todos os demais, pela certeza de que se houver observância aos ditames morais e aos costumes espirituais da ‘igreja’ a pessoa se torna santa, e, portanto, superior a todos os demais humanos no planeta [caso não faça nenhuma irregularidade bíblico comportamental e jamais deixe de obedecer ao seu pastor ou líder]”, enfatiza o reverendo.
-Além disso, se ensina também [sem a frase explicita, mas nas entrelinhas] que “Deus é Pentecostal”, depois “evangélico”, e, depois de tudo…, quem sabe…, talvez… Deus seja “cristão” no sentido lato do termo. Mas apenas muito “quem sabe”… Quando falo de “Igreja Pentecostal” me refiro mais ao conceito e práticas do que ao um nome ou placa – contextualiza Caio Fábio, antes de apontar outros aspectos que ele define como deficiências na doutrina pentecostal: “Com tal espiritualidade não é possível viver com lucidez, sobriedade, simplicidade, humanidade, solidariedade indiscriminada e caráter de Cristo em nós. Entenda: falei não de pessoas e nem de uma sigla, mas apenas de um espírito que permeia quase toda a espiritualidade ‘evangélica’”.
Leia abaixo a íntegra do texto “Pentecostalismo, espiritualidade, 171 e Avenida Brasil”, de Caio Fábio:
Existem muitos modos de “ver” as coisas que concernem a “Deus” [conceito] e à “espiritualidade” [prática do conceito espiritual no qual se crê].
Nem de longe é meu objetivo discorrer sobre as principais vertentes dessas espiritualidades; afinal, teria que ser um imenso de um livro o projeto que sequer pretendesse arranhar as multi-gamas dessas variáveis de olhar espiritual entre os humanos.
Atenho-me ao nosso meio imediato: o mundo cristão evangélico!
Ora, no ambiente chamado “evangélico” [que cobre hoje todos os grupos não católicos de confissão bíblica no país] — foi o Pentecostalismo [de todos os matizes] o introdutor de um pressuposto devastador para a produção de uma consciência carregada de caráter e honestidade nas práticas da vida.
O Pentecostalismo, em linhas gerais, não é predestinista-divino da segurança da salvação [como são os Reformados], embora seja predestinista-humano do inferno, quando pela certeza de que “fora dos cultos e das frequências e filiação à igreja local não há salvação”, com imensa facilidade danam toda a humanidade não igrejada no fogo…; sim, e isso por um tempo de duração eterna.
Assim nasce a ufania de que o crente pentecostal tem um poder espiritual maior do que todos os demais, pela certeza de que se houver observância aos ditames morais e aos costumes espirituais da “igreja” a pessoa se torna santa, e, portanto, superior a todos os demais humanos no planeta [caso não faça nenhuma irregularidade bíblico comportamental e jamais deixe de obedecer ao seu pastor ou líder].
Além disso, se ensina também [sem a frase explicita, mas nas entrelinhas] que “Deus é Pentecostal”, depois “evangélico”, e, depois de tudo…, quem sabe…, talvez… Deus seja “cristão” no sentido lato do termo. Mas apenas muito “quem sabe”…
Quando falo de “Igreja Pentecostal” me refiro mais ao conceito e práticas do que ao um nome ou placa. Que fique entendido; até porque a “igreja evangélica” que não é publicamente pentecostal, na prática das coisas, todavia, o é quase que na sua totalidade.
A crença é a seguinte: “Deus” tem um borogodó que os pentecostais que não tem com mais ninguém!
A eles “Deus” deu muitos poderes, especialmente aos seus líderes…
Sim, deu-lhes o poder de falar em línguas, de profetizar, de curar, de repreender o diabo, de comandar anjos, de condenar homens ao inferno, de separar o joio do trigo, de dizer o que é certo e errado para os outros todos, de intervir nos governos, de enquadrar as minorias, de acusar os que não são “evangélicos” de serem “o mundo”; e mais: deu-lhes o poder de darem ordens a “Deus”, de ordenar-Lhe o que “fé/desejo/capricho/nosso”. Sim, deu-lhes o poder de determinar [caso a pessoa não esteja devendo nada à “igreja”].
Porém, mais do que tudo, “Deus” os tornou os “Seus” representantes autorizados no planeta; assim…, eles também têm o poder de amaldiçoar, de abençoar conforme o interesse, de cobrar e receber dinheiro de “Deus”, de criarem “campos de força espiritual” [a cobertura]; além de que são eles que decidem o que Deus liga nos céus ou desliga na terra, conforme a determinação deles.
Ah, o “Eterno” também deu a eles o poder de “lavar o dinheiro de Deus”.
O dinheiro pode ser roubado, mas se devidamente dizimado na “igreja”, está lavado.
O dinheiro pode ser de drogas, mas, dedicado à igreja, se torna santo.
O dinheiro pode ser da máfia, porém, se for tirado o dizimo do bruto, tudo está legalizado por “Deus”.
Ora, como o Pentecostalismo é revelacionista existencial… [embora creia no livro Bíblia e dele faça suas doutrinas; [adorando o livro como um ente sagrado], ainda que se dizendo uma fé bíblica, de fato, a qualquer momento, por causa do modo intimo e diferenciado que “Deus” trata os “Seus herdeiros pentecostais”, o que a Bíblia diz pode se tornar uma Lei Para Todos, mas não para o ente revelacionista existencial pentecostal; posto que para ele “Deus” dê novas “revelações”, as quais podem “abrir para o crente pentecostal somente” [...] uma porta especial e inigualável; a qual, para os demais homens “sem revelação” está vetado o entrar, mas para o “ungido” está legalizado pelo Senhor.
E tem mais: se o que estiver em jogo for a prosperidade da causa do “Evangelho ou da Igreja”, vale tudo!
Sim; vale tudo!
Querem que eu cite histórias aos milhares para demonstrar que é assim que é?
Desse modo, até a oração é “adianto indevido” pro lado do “crente”.
O sujeito não estuda, não trabalha, não se esforça, não aprende, diz que tudo coisa do “mundo”, e diz: “Eu determino que sou cabeça e não cauda, e, portanto, saiam os ímpios do meu caminho porque sou filho do Rei!”
Sendo assim, ser filho de “Deus” é ser um playboy filho de mafioso culpado e que realiza todos os caprichos de seu filho bandido e arrogante.
Ora, esse conceito se espraia para todas as dimensões da vida… Sim, literalmente altera tudo no olhar do individuo e mata o seu caráter e a sua humanidade fundamental, roubando-lhe a benção da consciência justa, e, assim, dando a tal individuo a espiritualidade 171 dos estelionatários.
Na verdade o homem se torna o que ele confessa como espiritualidade. Tudo nele passa a ser a imagem e semelhança de sua confissão e entendimento.
Desse modo, me diga; sim, sendo assim, me diga:
TENDO ESSE “DEUS” E DESENVOLVENDO ESSA “ESPIRITUALIDADE”… COMO É POSSÍVEL VIVER EM HUMILDADE, SERVIÇO, COMPAIXÃO, ENTREGA, SOLIDARIDADE INSDISCRIMINADA, HONESTIDADE, BONDADE, TRANSPARENCIA E REVERENCIA PARA COM TUDO E TODAS AS COISAS NA EXISTÊNCIA, QUANDO TUDO O MAIS É PARA SER USADO PELOS NOSSOS CAPRICHOS BREGAS, SEMELHANTES AOS DESEJOS COTIDIANOS EXPRESSOS NA CIDADE RELIGIOSA CHAMADA DE DIVINO NA NOVELA AVENIDA BRASIL?
Assim, digo: a coisa ficou tão 171 em tudo que não titubeio em afirmar que o personagem Tufão da novela Avenida Brasil é muito mais gente de caráter do que a maioria dos pastores 171 que em nome de “Deus” fazem do povo os “bichos do jogo”.
Com tal espiritualidade não é possível viver com lucidez, sobriedade, simplicidade, humanidade, solidariedade indiscriminada e caráter de Cristo em nós.
Entenda: falei não de pessoas e nem de uma sigla, mas apenas de um espirito que permeia quase toda a espiritualidade “evangélica”.
Sem medo de ser julgado, pois Nele falo com sinceridade,
Caio – 20/10/12- Lago Norte – Brasília – DF

Contra o ecumenismo, Rev. Hernandes Dias Lopes afirma que “não há unidade espiritual fora do evangelho de Cristo”. Leia na íntegra

Contra o ecumenismo, Rev. Hernandes Dias Lopes afirma que “não há unidade espiritual fora do evangelho de Cristo”. Leia na íntegra
Com o surgimento de propostas de diálogo entre religiões e a possibilidade do estabelecimento de reuniões e até projetos sociais feitos por líderes de diferentes crenças, chamada de ecumenismo, a preocupação de líderes cristãos tradicionais com o assunto também vem à tona.
Num artigo contundente contra o ecumenismo, o reverendo presbiteriano Hernandes Dias Lopes voltou a afirmar que “vivemos a época do inclusivismo, fruto da ideia pós-moderna, que não existe verdade absoluta”, e ressaltou que a conveniência muitas vezes leva líderes ao erro: “Muitos pastores, em nome do amor, sacrificam a verdade e caem nessa teia perigosa do ecumenismo. Precisamos afirmar que não existe unidade espiritual fora da verdade, assim como luz e trevas não podem coexistir. Não podemos ser um com aqueles que negam a salvação pela graça de Cristo Jesus”.
Hernandes Dias Lopes ressalta que o princípio usado pelos defensores do diálogo inter-religioso parte de uma interpretação equivocada da Bíblia: “O argumento de que Jesus acolheu publicanos e pecadores e por isso devemos receber todos os credos é uma falsa interpretação do texto bíblico. O amor não é um substituto da verdade. Todos são convidados a vir a Cristo, mas de todos é exigido arrependimento e fé”.
Segundo o reverendo, as consequências da aceitação do movimento ecumênico no meio cristão pode resultar em perdas de parâmetros: “É preciso alertar, ainda, que essa frouxidão doutrinária do liberalismo desemboca na relativização moral. O entendimento pós-moderno é que cada um tem sua própria verdade. A verdade deixou de ser objetiva para ser subjetiva. Com isso, assistimos, estarrecidos, não apenas um ataque aos valores morais, mas uma inversão dos valores morais”
Confira abaixo, a íntegra do artigo “Ecumenismo: avanço ou ameaça à igreja”, do reverendo Hernandes Dias Lopes, publicado no blog Ministério Batista Bereia e divulgado pelo Púlpito Cristão:
Está na moda o diálogo inter-religioso. Vivemos a época do inclusivismo, fruto da ideia pós-moderna, que não existe verdade absoluta. Muitos pastores, em nome do amor, sacrificam a verdade e caem nessa teia perigosa do ecumenismo. Precisamos afirmar que não existe unidade espiritual fora da verdade, assim como luz e trevas não podem coexistir. Não podemos ser um com aqueles que negam a salvação pela graça de Cristo Jesus. Não é um ato de amor deixar que aqueles que andam pelo caminho largo da condenação sigam “em paz” por esse caminho de morte. Esse falso amor tem cheiro de morte. Essa atitude de dar as mãos a todas as religiões, numa espécie de convivência harmoniosa, acreditando que toda religião é boa e leva a Deus é uma falácia. Toda religião é vã a não ser que pregue a Cristo, e este crucificado. Toda religião afasta o homem de Deus, a não ser que anuncie Jesus Cristo como o único caminho para Deus! Vamos deixar esse discurso falacioso de amor a todos, e vamos amar de verdade às pessoas, de todas as religiões, pregando a elas, com senso de urgência, o evangelho que exige arrependimento e fé e oferece vida eterna.
Obviamente, a união de todas as religiões e de todas as crenças não é um avanço, mas uma ameaça à igreja de Cristo. O que está por trás dessa tentativa de unir todas as crenças é a heresia de que toda religião é boa e todo o caminho leva a Deus. O ecumenismo, o diálogo inter-religioso e a fraternidade com todos os credos é um engano fatal. É um falso entendimento do que Jesus ensinou sobre a unidade espiritual da igreja. Não há unidade espiritual fora do evangelho de Cristo. O argumento de que Jesus acolheu publicanos e pecadores e por isso devemos receber todos os credos é uma falsa interpretação do texto bíblico. O amor não é um substituto da verdade. Todos são convidados a vir a Cristo, mas de todos é exigido arrependimento e fé.
É preciso alertar, ainda, que essa frouxidão doutrinária do liberalismo desemboca na relativização moral. O entendimento pós-moderno é que cada um tem sua própria verdade. A verdade deixou de ser objetiva para ser subjetiva. Com isso, assistimos, estarrecidos, não apenas um ataque aos valores morais, mas uma inversão dos valores morais. O profeta Isaías já havia denunciado essa atitude: “Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem, mal; que fazem da escuridade luz e da luz, escuridade; põem o amargo por doce e o doce, por amargo!” (Is 5.20). É isso que estamos vendo na mídia todos os dias. Faz-se apologia do aborto, do adultério, do homossexualismo, da violência e da mentira. Porque uma ideia falsa foi plantada no passado, estamos fazendo uma colheita desditosa no presente. A igreja de Cristo precisa estar firme contra todas essas ondas de engano e permanecer inabalável no cumprimento de sua vocação de levar o evangelho a toda criatura, em todo o mundo.

Psicóloga Marisa Lobo afirma que “minoria falaciosa” tem usado a mídia para perseguir cristãos no Brasil. Assista

Psicóloga Marisa Lobo afirma que “minoria falaciosa” tem usado a mídia para perseguir cristãos no Brasil. Assista
A psicóloga clínica Marisa Lobo, colunista do Gospel+, participou do programa “Madrugada de Vida Nova”, apresentado pelo apóstolo Ezequiel Teixeira, da igreja Projeto Vida Nova.
Em sua entrevista ao apóstolo Teixeira, Marisa Lobo tratou de temas como o combate às drogas, perseguição religiosa e liberdade de expressão.
O apóstolo questionou Marisa Lobo se no Brasil tem ocorrido casos de censura religiosa ou até perseguição. A psicóloga foi enfática em sua resposta: “Com certeza. Intolerância, perseguição religiosa, está muito na cara. Estamos perdendo nosso direito de professar nossa fé, que é um direito constitucional”.
Em sua fala, Lobo citou os principais meios que, a seu ver, tem propagado princípios anticristãos: “Novela, a mídia, perseguem muito os evangélicos e cristãos de forma geral. Em novela, pastor sempre é bandido, crente sempre é mal vestida ou então é aquela que não presta, não vale nada”, disse, em referência à personagem evangélica da novela Avenida Brasil.
Marisa Lobo também se dirigiu aos cristãos com tom de alerta, lembrando que enquanto cidadãos, há outras preocupações além da vida espiritual: “Quando a Bíblia fala que somos de outro mundo, isso é espiritual. Por enquanto nós temos que morar aqui neste país, e nós temos deveres e direitos. E esses direitos estão sendo negados por uma minoria”, pontuou.
Questionada a respeito da liberdade de expressão, Marisa Lobo citou o processo disciplinar a que está respondendo no Conselho Federal de Psicologia para ilustrar seu ponto de vista: “Liberdade de expressão ao profissional é negado. Nós não temos essa liberdade de expressão. Ela é dada ao usuário de maconha, que recebeu do STJ o direito de fazer as marchas da maconha [...] Todos tem o direito. O espírita é ovacionado pela mídia. Recentemente teve uma novela que falou de uma psicóloga que era espírita, fazia regressão dentro do consultório, tudo lindo. Uma psicóloga que assume isso [fé] em suas redes sociais, sua vida pessoal, sendo cristã, é perseguida, como eu tenho sido”.
Assista abaixo, a íntegra da entrevista da psicóloga Marisa Lobo ao programa “Madrugada de Vida Nova”, do apóstolo Ezequiel Teixeira:


quinta-feira, 11 de outubro de 2012

PM cristão com 36 mortes no currículo é eleito vereador em São Paulo entre os cinco mais votados

PM cristão com 36 mortes no currículo é eleito vereador em São Paulo entre os cinco mais votados
O Coronel Telhada (PSDB), ex-policial militar conhecido por seu envolvimento em 36 mortes e pelos mais de 80 elogios em sua ficha na corporação, foi eleito vereador em São Paulo.
Paulo Adriano Lopes Telhada, evangélico, membro da Congregação Cristã no Brasil, foi o quinto mais votado para o cargo legislativo com 89.053 votos, e se disse “comovido” com o resultado, de acordo com informações do G1: “Foi uma resposta do povo. O povo quer gente nova, que entenda o povo”, afirmou Telhada.
Conhecido por suas declarações firmes, o Coronel Telhada não nega as mortes que são imputadas a ele, mas diz ter a consciência tranquila por estar convicto de que nunca matou inocentes. As mortes que são imputadas ao ex-policial Telhada aconteceram, segundo ele, em combate entre polícia e ladrões.
-Não tem um cara que abomine mais a violência do que eu. Só não gosto de bandido [...] Neste país, quando você fala o que pensa é tido como polêmico, violento – desabafa o agora, vereador paulistano.
Em seu novo cargo, Telhada terá a companhia de Conte Lopes, também ex-policial militar e eleito vereador pelo PTB, e diz não ver problemas em elaborar projetos sobre segurança pública em parceria com o ex-colega de corporação: “Se for para unir ideias em prol da população, sou a favor”.

Filme “Uma História de Amor e Fúria” apresenta “pastor miliciano” como presidente do Brasil e causa polêmica

Filme “Uma História de Amor e Fúria” apresenta “pastor miliciano” como presidente do Brasil e causa polêmica
Um filme brasileiro de animação chamado “Uma História de Amor e Fúria” ainda não estreou, mas já tem causado polêmica entre religiosos cristãos de diversas orientações.
No roteiro do filme, que se situa no distante ano de 2096, o Brasil é um país onde os recursos hídricos foram privatizados e o presidente brasileiro é um pastor evangélico que possui ligações com uma milícia organizada como máfia. Além disso, o maior cartão postal do Rio de Janeiro, a estátua do Cristo Redentor, é apresentada aos pedaços no filme.
O roteirista e diretor do filme, Luiz Bolognesi afirma que sabia do potencial de polêmica da história que criou: “O Cristo é o grande símbolo do Rio. Várias pessoas falaram: ‘Cara, você vai ser linchado! ‘”, afirma, deixando claro que sua opção foi consciente: “Eu adoro HQs e história do Brasil. O projeto ideal seria unir as duas coisas. Como somos irresponsáveis, decidimos fazer um longa animado”.
De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, o filme teve um custo de produção por volta dos R$ 4,5 milhões. O diretor Bolognesi revela que teve dificuldades em conseguir os recursos: “Foi extremamente difícil vender o projeto. Todo mundo me chamava de louco”.
Porém, a polêmica em torno dos elementos que formam o filme já atraiu críticas. O pastor Rubens Teixeira declarou ao site Holofote.Net que a proposta do filme é incoerente e fora da realidade: “Não é parte da doutrina cristã a prática de crimes e nem de uso da força. Por isso, não há coerência entre a realidade e a ficção apresentada. O comentário e o filme podem ser reflexo de preconceito contra os evangélicos existente na mente dos que idealizaram e dos que apreciam a obra. O preconceito contra algumas religiões geram rebeliões e mortes, o preconceito contra evangélicos vende filmes, novelas e programas de TV”, observou o pastor.
Teixeira destaca o desrespeito do diretor com a fé e pessoas ligadas ao movimento evangélico: “Não sei se a mola propulsora deste filme é um incentivo ao preconceito aos evangélicos ou a busca de lucros com este preconceito. A realidade é que, independente de quais sejam as razões, são eivadas de desrespeito e de lamentável pobreza de espírito comuns em ambientes medíocres”, criticou o pastor.

Reeleição de Hugo Chávez preocupa cristãos na Venezuela

Reeleição de Hugo Chávez preocupa cristãos na Venezuela
Com a reeleição de Hugo Chávez para meis seis anos na presidência da Venezuela, os cristãos locais estão temerosos quanto a seu futuro.
“Entre os verdadeiros crentes, há um sentimento de decepção”, diz Daniel Sandoval, diretor-executivo dos Ministérios Mundo Espanhol. Segundo ele, há uma sensação de medo sobre o que acontecerá nos próximos anos. “Mas, estamos certos de que Deus está no comando de quem é o presidente da Venezuela”, afirmou.
Mesmo com a vitória com 54% dos votos válidos, a vitória do ditador desapontou muitos venezuelanos que vivem nos EUA. Em meio a isso, pairam rumores e indícios de fraude eleitoral.
O temor dos cristãos é compreensível, já que em 2006 Chávez expatriou muitos missionários que atuavam em regiões tribais.
Sandoval observou o fato de que Chavez esteja se tornando uma pessoa mais religiosa. “Antes de anunciar que estava com câncer ele condenava Israel. Quando ele voltou de Cuba após as cirurgias e quimioterapias, ele voltou com a ideia de que precisava de Jesus em sua vida”, disse, segundo oCharisma.
O diretor do ministério pondera que apesar disso as ideias socialistas de Chavez não mudaram, e ele aponta para a fuga de investimentos da Venezuela. “As pessoas pobres continuam pobres, os ricos estão se mudando para outros países ou estão decidindo não investir seu dinheiro no país”, pontua.
Para ele, as injustiças sociais só serão corrigidas quando o venezuelanos vieram a Cristo. “Os cristão têm de estar firmes em suas convicções e ter ousadia para alcançar os perdidos por meio do Evangelho. Na Venezuela, certamente, haverá mais obstáculos”, diz.
O ministério transmite no país programas evangelísticos de radio. Sandoval enfatiza que os cristão têm autoridade por meio de Cristo. “Existem muitas pessoas que precisam ser salvas na Venezuela, assim como no restante da América Latina, onde os programas já atingem muitas pessoas.”

Rede Juvenil - 27/10


quarta-feira, 3 de outubro de 2012

“Igreja Universal quer dominar o Brasil”: pesquisador analisa livro do bispo Edir Macedo sobre política e investimentos feitos pela denominação na mídia

“Igreja Universal quer dominar o Brasil”: pesquisador analisa livro do bispo Edir Macedo sobre política e investimentos feitos pela denominação na mídia
Em meio às polêmicas envolvendo a campanha à prefeito de São Paulo do candidato Celso Russomano (PRB) e suas ligações políticas com a Igreja Universal do Reino de Deus, o jornalista Johnny Bernardo publicou artigo analisando as ideias do bispo Edir Macedo sobre fé e política, expostas no livro “Plano de Poder – Deus, os Cristãos e a Política”.
De acordo com Bernardo, “o objetivo é claro: A Igreja Universal quer dominar o Brasil”, e para isso, o líder da IURD montou uma estratégia complexa de crescimento e influência na sociedade.
-Para realizar seu intento – de criar uma nação evangélica e “governada” por Deus -, Macedo estabeleceu uma série de estratégias, como eliminação das concorrências, investimento maciço em meios de comunicação, influência da sociedade por meio de campanhas de marketing e defesa de temas polêmicos, a exemplo da legalização do aborto, e a busca do poder pela organização política – afirma o jornalista e pesquisador Johnny Bernardo.
Johnny Bernardo pontua ainda que as estratégias adotadas por Edir Macedo para a implementação do suposto plano de domínio tem semelhanças com iniciativas tomadas em outros países, com resultados negativos: “As estratégias definidas e seguidas por Edir Macedo possuem paralelos com diversos movimentos destrutivos dos EUA e Europa, mas, em especial, com a Igreja da Unificação, fundada em 1954 pelo Rev. Moon (1920–2012). Assim como a IU, a Igreja Universal encara a formação da opinião pública e o recrutamento de seguidores como elementos cruciais para o alcance de seus objetivos”.
Confira abaixo a íntegra do artigo “A Igreja Universal e seu plano de domínio para o Brasil”, do jornalista Johnny Bernardo, publicado pelo Genizah:
O objetivo é claro: A Igreja Universal quer dominar o Brasil. Pré-definido no livro Plano de Poder, Deus, os cristãos e a política (Edir Macedo com Carlos Oliveira, 2008), o objetivo vem se desenvolvendo ao longo dos anos, e, nas eleições municipais de 2012, pretende se consolidar. Fé e política, no entender de Edir Macedo, são elementos interligados aos quais os crentes devem se engajar.
Para realizar seu intento – de criar uma nação evangélica e “governada” por Deus -, Macedo estabeleceu uma série de estratégias, como eliminação das concorrências, investimento maciço em meios de comunicação, influência da sociedade por meio de campanhas de marketing e defesa de temas polêmicos, a exemplo da legalização do aborto, e a busca do poder pela organização política.
Tomando como base São Paulo – onde o candidato do Partido Republicano Brasileiro (PRB) ao Executivo, Celso Russomanno, lidera as intenções de voto -, a Igreja Universal coloca em prática sua estratégia de dominação política. Segundo o presidente nacional do PRB e também bispo Marcos Antonio Pereira, a meta para 2012 é a eleição de pelo menos 100 prefeitos e até dois mil vereadores, em todo o país.
Questionado pela relação da campanha de Russomanno com a Igreja Universal e a TV Record – em uma entrevista concedida ao portal UOL e Folha de São Paulo, no último dia 26 de setembro – Marcos Pereira saiu em defesa da laicidade do Estado e a total independência administrativa, caso Russomanno seja eleito, mas teve dificuldade em explicar o motivo da composição “evangélica” do partido – dos 18 dirigentes nacionais pelo menos dez são oriundos da Igreja Universal ou da TV Record, segundo apontamento feito pelo cientista político Claudio Gonçalves Couto.
Um projeto de Deus
De olho no crescimento dos evangélicos no Brasil – sendo hoje algo em torno de 42,3 milhões, segundo última estimativa feita pelo IBGE – o bispo Edir Macedo lançou seu plano de domínio do Brasil, conclamando os crentes a participarem da tomada do Poder. Afirmando seguir orientações divinas, Macedo relaciona à chegada ao Poder como um projeto “elaborado” e “pretendido” por Deus.
“Vamos nos aprofundar, através desta leitura, no conhecimento de um grande projeto de nação elaborado e pretendido pelo próprio Deus e descobrir qual é a nossa responsabilidade neste processo. [...] Desde o início de tudo Ele nos esclarece de sua intenção de estadista e de formação de uma grande nação.” (Plano de Poder, pág. 8)
A Bíblia, segundo Macedo, não é apenas um livro de orientações religiosas ou de exercício da fé, mas também um livro que sugere resistência, tomada e estabelecimento do poder político e de governo. “Somente quando todos ou a maioria dos que a seguem estiverem convictos de que ela é a Palavra de Deus, então ocorrerá a realização do grande sonho Divino”, conclui Macedo colocando-se como canal da realização do “grande sonho Divino”, que é o estabelecimento do Brasil como nação “evangélica”.
Lançado às vésperas das eleições municipais de 2008, o livro Plano de Poder revela o prognóstico feito por Edir Macedo em seu plano de tomada do governo. Nele ressalta que tudo é uma questão de engajamento, consenso e mobilização dos evangélicos. “Nunca, em nenhum tempo da História do evangelho no Brasil, foi tão oportuno como agora chamá-los de forma incisiva a participar da política nacional (…). A potencialidade numérica dos evangélicos como eleitores pode decidir qualquer pleito eletivo, tanto no Legislativo, quanto no Executivo, em qualquer que seja o escalão, municipal, estadual ou federal”, afirma Macedo.
Semelhanças
As estratégias definidas e seguidas por Edir Macedo possuem paralelos com diversos movimentos destrutivos dos EUA e Europa, mas, em especial, com a Igreja da Unificação, fundada em 1954 pelo Rev. Moon (1920–2012). Assim como a IU, a Igreja Universal encara a formação da opinião pública e o recrutamento de seguidores como elementos cruciais para o alcance de seus objetivos. Desenvolve, assim como na IU, uma acirrada guerra contra meios de comunicação e religiosos concorrentes, além de investir em times de futebol com foco em marketing de massa, e na ideia de que estão “colaborando” com o estabelecimento do Reino de Deus, no mundo. Acima de tudo, dizem atuar como canais de comunicação de Deus e dão forte ênfase ao crescimento financeiro – sinal, segundo as igrejas, da retribuição divina.

Roberto Brum encerra carreira aos 33 anos para se dedicar ao ministério pastoral

Roberto Brum encerra carreira aos 33 anos para se dedicar ao ministério pastoral
O ex-jogador Roberto Brum, conhecido no meio futebolístico por suas entrevistas coletivas sempre animadas, encerrou a carreira recentemente e decidiu tornar-se pastor. Em sua carreira, atuou por clubes como Fluminense, Coritiba, Santos e Figueirense, e aos 33 anos, jogando pelo São Gonçalo, clube do Rio de Janeiro, pendurou as chuteiras.
Convertido há doze anos, Brum afirma que abandonou as baladas e passou a viver uma vida de acordo com a palavra de Deus: “Não era dá pá virada, mas cheguei perto e minha carreira não deslanchava. Aceitei Jesus e virei um marido fiel, sem vida dupla e valorizei meus filhos (Brenda tem 12 anos e Robert 6). Jesus me trouxe isso de volta e não me arrependo. Me tornei uma pessoa melhor”, testemunha.
Brum revela que a decisão de abandonar o futebol e tornar-se pastor não foi imediata: “Recebi o chamado há dois anos, mas não me achava preparado, apesar das pessoas me tratarem assim. Há seis meses, recebi outro chamado e revelações, e vi que era minha hora”, conta o ex-jogador ao jornal Extra.
O pastor Roberto Brum, que lidera a “Igreja de Deus – O Senhor Está Aqui”, denominação fundada por ele, conta que em sua carreira, compartilhou o evangelho com seus companheiros, e revela que Neymar e Paulo Henrique Ganso eram frequentadores assíduos dos cultos que realizava em sua casa, quando jogava pelo Santos: “Eles sempre apareceram nos cultos. E o Rafael também. Inclusive, eu e um pastor meu amigo o batizamos em um rio de Cubatão”.
A doutrina da “Igreja de Deus – O Senhor Está Aqui”, segundo Brum, é liberal: “Deus não faz distinção de ninguém pelo que veste. Nós também não”, justifica.

Mãe enfrenta cinco abortos e um câncer para dar à luz: “Minha bebê é um milagre, e Deus é o responsável”

Mãe enfrenta cinco abortos e um câncer para dar à luz: “Minha bebê é um milagre, e Deus é o responsável”
Uma mulher que enfrentou cinco abortos e um câncer cervical deu à luz recentemente e credita o feito a um milagre divino. Amy Newton, uma inglesa de 28 anos tornou-se notícia no mundo todo após revelar sua história ao jornal The Sun.
Em 2010, Amy e seu marido Michael, de 30 anos, resolveram que era o momento de ter um filho, e num espaço de um ano, Amy sofreu cinco abortos, o que a levou a pensar que nunca engravidaria.
Quando engravidou pela sexta vez, em novembro de 2011, Amy foi diagnosticada com um câncer cervical. Sua gestação estava na nona semana, e como parte do tratamento, um pedaço de seu útero deveria ser removido.
O fato ganhou contornos dramáticos pois o procedimento cirúrgico específico para a retirada de parte do colo do útero havia sido realizado apenas duas vezes em mulheres gestantes no Reino Unido. Mesmo assim, os médicos do Hospital de Nottingham realizaram a cirurgia, que foi bem sucedida: “Os médicos retiraram grande parte do meu útero e havia uma grande chance de eu não seu capaz de suportar o bebê”, testemunhou a jovem.
Ao jornal inglês, já com sua filha no colo, Amy declarou que sua fé a ajudou a enfrentar a gravidez de risco: “Eu nunca deixei de acreditar que minha bebê sobreviveria, até que ela nasceu em 18 de julho. Ela é um pequeno milagre, e Deus é o grande responsável por esta causa”, relatou.

Ator Denzel Washington revela experiência com o Espírito Santo e hábito de ler a Bíblia diariamente: “Isso é o que tem me abençoado”

Ator Denzel Washington revela experiência com o Espírito Santo e hábito de ler a Bíblia diariamente: “Isso é o que tem me abençoado”
O ator Denzel Washington, 57 anos, vencedor do Oscar por duas vezes, declarou em recente entrevista que sua vida mudou após ter recebido o Espírito Santo.
Declaradamente evangélico, Washington afirmou à revista GQ que tem como hábito diário a leitura da Bíblia, e que isso o inspira a fazer a diferença. A entrevista do ator foi concedida durante o intervalo das filmagens de seu novo filme, “2 Guns” (ainda sem título oficial em português), em que contracena com o ator Mark Wahlberg. A entrevista foi reproduzida em parte pelo site Urban Christian News.
-Leio a Bíblia todos os dias, ela é minha palavra diária. Li algo muito legal ontem: “Nós não aspiramos só viver a vida, aspiramos fazer a diferença” – revelou o ator, que ficou conhecido por seus papéis em “Tempo de Glória” e “Dia de Treinamento”, que renderam a ele as estatuetas do Oscar, além de “Um Grito de Liberdade”, “Deja Vu”, “Um Anjo em Minha Vida” e mais recentemente, “O Sequestro do Metrô 123” e “O Livro de Eli”, entre outros, que somam 41 filmes no total.
Denzel Washington contou ainda que sua primeira experiência sobrenatural com a manifestação do Espírito Santo ocorreu há muito tempo atrás: “Foi há trinta anos, na igreja que eu ainda frequento. O pastor estava pregando: ‘Deixa fluir’. Eu disse, ‘vou deixar’, conta o ator, antes de descrever o momento: “Eu tive uma tremenda experiência física e espiritual. O que me assustou é que eu estava com a língua enrolada, chorando, suando. Minhas bochechas pareciam que iam explodir. Foi como uma limpeza. Foi algo muito intenso… Liguei para minha mãe, e ela disse que eu estava sendo cheio do Espírito Santo”.
Considerado um dos mais importantes atores de Hollywood atualmente, Denzel Washington ressaltou a importância da espiritualidade em seu sucesso profissional: “A espiritualidade é importante em todos os aspectos da minha vida. Quero dizer, é por isso que eu estou aqui. Isso é o que tem me abençoado”.