IGREJA APOSTÓLICA VIDA ABUNDANTE

IGREJA APOSTÓLICA VIDA ABUNDANTE
2017 Ano da Paternidade

sábado, 15 de setembro de 2012

Chefe da Al Qaeda convoca mulçumanos a ‘tomarem’ Jerusalém


No lugar de Osama bin Laden, Ayman Al Zawahiri diz que governo dos EUA está protegendo a Síria por temer que outro regime islâmico se levante na região
O chefe do grupo terrorista Al Qaeda, Ayman Al Zawahiri, pediu aos muçulmanos apoio aos rebeldes na Síria. Em vídeo gravado em 11 de setembro e divulgado nesta quinta-feira (13), Zawahiri argumenta que a deposição do presidente Bashar Assad os ajudaria a atingir o objetivo de derrotar Israel.
Para ele, o governo dos Estados Unidos protege Assad por temer que outro regime islâmico se levante na região, o que representaria uma ameaça ainda maior ao estado judaico. “Dar apoio a jihad na Síria para estabelecer um estado muçulmano é um passo básico em direção a Jerusalém”, disse o terrorista.
O chefe da Al Qaeda desde a morte de Osama bin Laden, no ano passado, criticou os governos da Turquia e do Irã e ridicularizou o presidente da Autoridade Palestina (AP), Mahmoud Abbas, por procurar a paz com Israel. Segundo ele, a ‘nação islâmica’ precisa focar em seu objetivo de ‘libertar a Palestina’.
Ele ainda destacou que, no Egito, a Irmandade Muçulmana, principal força política do país e grupo ao qual pertence o presidente Mohammed Mursi, está servindo a Israel. “Eu apelo aos honoráveis membros do exército egípcio, e existem muitos deles, para não serem guardas das fronteiras de Israel e não defender seus limites ou participar do cerco do nosso povo em Gaza”, disse.
Esforços internacionais
O novo enviado da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Liga Árabe à Síria, Lakhdar Brahimi, que deu início a sua primeira visita a Damasco nesta quinta-feira, considera que a crise no país é grave e que está piorando com o passar do tempo, segundo declarações citadas pela agência oficial síria Sana.
Histórico
Mais de 20.000 pessoas morreram na Síria desde que teve início, em março de 2011, um levante contra o atual presidente no marco da Primavera Árabe, uma onda de protesto que derrubou os governos do Egito e da Tunísia, locais onde foram estabelecidos governos islâmicos, o que aumentou a influência da religião na região.

Nenhum comentário:

Postar um comentário