IGREJA APOSTÓLICA VIDA ABUNDANTE

IGREJA APOSTÓLICA VIDA ABUNDANTE
2017 Ano da Paternidade

terça-feira, 24 de julho de 2012

Crianças são alvos cada vez mais frequente de tropas do governo Assad



Crianças são alvos cada vez mais frequente de tropas do governo Assad
Tropas sírias teriam pedido para mães escolherem quais filhos elas queriam que fossem executados durante um ataque contra um vilarejo no sul do país, revelou o jornal britânico The Times.
Segundo testemunhas, homens da milícia pró-regime shabiha teriam executado crianças neste fim de semana, na aldeia de Ataman, perto de Deraa. O grupo, que apoia o presidente Bashar al-Assad, teria reunido moradores na praça principal do vilarejo e ordenado rebeldes a se entregar sob a ameaça de executar as crianças do povoado, se os dissidentes não obedecessem o chamado.
Shadi al-Hari, um estudante de 21 anos, estava com sua tia e seus dois primos, Omar, de 16 anos, e Shadi, de 5. Um dos membros da milícia pegou os dois meninos e perguntou para sua tia quem ela queria que morresse, revelou al-Hari. Como ela não conseguiu escolher entre os dois filhos, o homem atirou no adolescente.
“Ele matou o mais velho na frente dela. Atiraram em sua cabeça. Minha tia teve um colapso no meio da rua”, contou o estudante ao Times.
Os sobreviventes do massacre em Ataman fugiram para um campo de refugiados na Jordânia, onde contaram a repórteres sobre o cerco no vilarejo. Segundo testemunhas, Ataman foi tomada por 250 tropas do governo, que chegaram em cinco ônibus e cercaram os moradores para eles saírem de seus esconderijos, a maioria se escondia em porões, e, então, usá-los para negociar com os rebeldes.
Relatos de violência cada vez mais chocantes, envolvendo crianças e mulheres, se tornaram frequentes nos últimos meses na Síria. Na semana passada, um atentado no coração do regime Assad foi visto por analistas como o início da etapa final do conflito, mas a comunidade internacional teme que o país mergulhe em um conflito sectário depois da queda de Assad.
Ore pela Síria

Nenhum comentário:

Postar um comentário