IGREJA APOSTÓLICA VIDA ABUNDANTE

IGREJA APOSTÓLICA VIDA ABUNDANTE
2017 Ano da Paternidade

segunda-feira, 26 de março de 2012

Algumas profissões estão ‘fora dos limites’ para os cristãos

Há algumas carreiras que devem ser consideradas “fora dos limites” para os cristãos devido à natureza do trabalho? Não, de acordo com Gene Edward Veith, reitor e professor de literatura na Faculdade Patrick Henry, que recentemente compartilhou alguns pensamentos sobre o assunto no site A Coalizão do Evangelho.
“A doutrina da vocação significa que Deus atribui-nos para uma certa vida – com talentos particulares, tarefas, responsabilidades e relacionamentos – e depois nos chama para uma tarefa. Deus nunca nos chama para o pecado”, escreveu ele. “Todos os chamados, ou vocações, de Deus são lugares válidos para servir. Então, estritamente falando, não há vocações ilícitas”.
Para o ex-editor de cultura da World Magazine, a melhor pergunta a fazer é se uma linha particular de trabalho é de fato um chamado ou vocação de Deus, com algumas profissões, obviamente, “moralmente problemáticas” como a de artistas, criminosos, traficantes, e assim por diante.
E outra pergunta a fazer é se os cristãos estão ou não cumprindo com a sua finalidade através de sua profissão. ”O propósito de toda vocação, em todas as esferas diferentes em que nossas múltiplas vocações ocorrem… é amar e servir os nossos vizinhos”, Veith escreveu. “Amar a Deus e amar os nossos vizinhos formam o nosso propósito”.
“Tendo sido reconciliados com Deus através de Cristo, somos então enviados por Deus ao mundo para amar e serví-lo, amando e servindo os nossos vizinhos. Isso acontece na vocação. Assim, podemos perguntar em todo o tipo de trabalho que estamos fazendo, ‘estou amando e servindo o meu vizinho, ou estou tentando explorar ele?”.
Atletas e militares
Ao longo dos anos, muitas profissões entraram em discussão quanto se elas são apropriadas ou não para os crentes, sendo algumas mais fáceis de classificar como impróprias do que outras. Tomemos por exemplo, os atletas e aqueles que trabalham no serviço militar.
De acordo com o colunista David Brooks do New York Times, tornar-se um atleta profissional pode ser problemático, pois “o ethos moral do esporte” que se centra no orgulho “está em tensão com o ethos moral da fé”, que exige humildade, Veith reiterou.
Para os soldados cristãos, por outro lado, a questão é que os crentes, que são dirigidos a amar tanto a seus vizinhos quanto os seus inimigos, são às vezes obrigados a matar o inimigo dele ou dela. Então, onde está o amor nisso?
Está no amor deles por seus concidadãos, a quem eles são autorizados por sua vocação a defender, o autor de Deus a Trabalho: Sua Vocação Cristã em Toda a Vida compartilhou, recordando as palavras de Martin Luther que previamente abordou, se os soldados poderiam ou não ser salvos, devido à natureza de seu trabalho. ”Soldados, como cristãos, deve realmente amar os inimigos – não odiá-los, manter malícia contra eles, ou maltratar prisioneiros ou civis – mas eles têm uma autorização para fazer o que os soldados tem que fazer”, afirmou.
“Embora individualmente como cristãos não devemos matar, Deus tem o direito de certamente tirar a vida humana. E Deus trabalha através das autoridades governamentais, que de acordo com Romanos 13 são agentes em restringir e punir o mal para deixar que uma sociedade de seres humanos seja possível”.
Profissões mais adequadas 
Uma série de outras vocações e profissões têm sido também criticada por cristãos e rotulada, como aquelas para se evitar devido ao potencial de se “lucrar a partir do pecado”. Isso inclui os trabalhadores de discoteca, cassino e bar, entre outros.
“Vocações, em geral, devem realizar um trabalho adequado e cumprir o seu propósito adequado”, esclareceu o ex-decano da Concordia University Wisconsin. “Um dono de um negócio deve gerar lucro; um atleta profissional deve ajudar sua equipe a ganhar. Dizer que isso envolve o egoísmo e o orgulho, tornando-os fora dos limites para os cristãos, confunde diferentes esferas”.
Enquanto as leis terrenas da economia dependem de participantes seguindo o seu auto-interesse racional, o cristão, disse ele, ao fazê-lo, também pode transformar o mesmo trabalho produtivo em uma expressão de amor e serviço. 
Especificamente falando, “o atleta pode trucidar adversário e alegrar-se na vitória, enquanto continua sendo um companheiro abnegado que homenageia aqueles do outro lado”, como se viu recentemente no exemplo do jogador do New York Knicks, Jeremy Lin.
Lin referiu anteriormente, “Eu [tenho] que entender que eu realmente não estou jogando para todos os meus fãs, para a minha família, eventos, para mim, eu realmente tenho que jogar para glorificar a Deus. E quando outras pessoas me veem jogando basquete, a maneira como trato meus companheiros, os adversários, os jurados, isso é tudo um reflexo da imagem de Deus e o amor de Deus de modo que é o que eu tento focar”.
O armador tomou sua profissão, que é frequentemente manchada pelo pecado, e transformou-a em um lugar onde ele pode glorificar a Deus por seu amor, por seus oponentes e companheiros de equipe.
Ao analisar profissões e carreiras em particular, Veith entendeu que não foi sempre claro que ocupações eram “fora dos limites” para os cristãos. ”As vocações são únicas”, concluiu. “Deus chama e prepara indivíduos em formas distintas e altamente especiais – para que eles possam resistir a regras rígidas e rápidas e ditames universalmente aplicáveis e moralistas”. ”Visto que a vocação é obra de Deus bem como o trabalho humano, tem a ver não apenas com a lei, mas com o Evangelho, uma vez que a vocação cristã é onde a vida é para ser conduzida, será uma expressão da liberdade cristã”.
Veith atualmente serve como o Diretor do Instituto de Cranach no Seminário Teológico Concordia, em Fort Wayne, Indiana, e também supervisiona assuntos acadêmicos e estudantes no Patrick Henry College. Ele também é um pesquisador do Centro de Pesquisa de Capital e da Fundação Heritage.
Fonte: The Christian Post

Nenhum comentário:

Postar um comentário