IGREJA APOSTÓLICA VIDA ABUNDANTE

IGREJA APOSTÓLICA VIDA ABUNDANTE
2017 Ano da Paternidade

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

VERGONHA - A CNBB poderá apoiar PL122/06

Mesmo após Marcelo Crivella (PR-RJ) ter se pronunciado, na última terça-feira (06), dizendo que não há acordo da parte dos evangélicos em aprovar o texto do Projeto de Lei 122/2006.  “A senadora Marta disse que havia construído um acordo. Nós gostaríamos de terminar com o projeto e construir um novo texto, mas ela insistiu com emendas, que melhoraram [o texto], mas não há acordo. Se for para colocar em votação, nós votaremos contra”, disse ele.
Marta Suplicy (PT-SP) continua anunciando mudanças no texto e a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) parece ter entrado em acordo para apoiar a aprovação do Projeto que será votado nesta quinta-feira (8), na Comissão de Direitos Humanos do Senado.
O acordo, que foi feito com Marta Suplicy do PT, envolveu uma concessão que a relatora do PLC 122 já havia proposto, sem sucesso, para a bancada evangélica, mais especificamente no seguinte texto:
“Art. 3º O disposto nesta Lei não se aplica à manifestação pacífica de pensamento decorrente da fé e da moral fundada na liberdade de consciência, de crença e de religião de que trata o inciso VI do art. 5º da Constituição Federal.”
A sugestão é que padres e pastores poderiam continuar pregando em missas e cultos contra a homossexualidade, mas apenas dentro de seus templos. Fora das igrejas as punições seriam as mesmas feitas nos textos anteriores, com pena de até 5 anos de cadeia para pregações e opiniões contra o homossexualismo em programas de rádio, TV, escola, sites, blogs, jornais, revistas, etc.
Apesar de não acreditar no voto de parlamentares evangélicos, Marta Suplicy está contando com a mobilização da CNBB, pois com apenas 10 votos favoráveis, dos 19 membros da Comissão de Direitos Humanos o Projeto de Lei seria aprovado.
Além do acordo com a CNBB, a senadora petista também conta com a ajuda da Rede Globo, que está lançando uma campanha em massa de combate à “homofobia”. A campanha tem o apoio da ONU e do governo petista de Dilma Rousseff.

Nenhum comentário:

Postar um comentário